sábado, 12 de fevereiro de 2011

Marcha do Aprendiz Maçom


Charles Evaldo Boller

Sinopse: Simbolismo, misticismo e esoterismo ligados à marcha do aprendiz maçom.

Durante a marcha, na interpretação mística e esotérica da Maçonaria, o aprendiz maçom no Rito Escocês Antigo e Aceito não deve levantar o pé do chão, e sim arrastá-lo. Dentro da liturgia maçônica a marcha tem sentido esotérico, ligado a uma espécie de campo de força do pensamento, gerado pelos irmãos reunidos em loja; chamam-no Egrégora. Pessoalmente nunca senti a manifestação desta hipotética energia, talvez porque ainda não alcancei os níveis certos na Escada de Jacó, ou nunca o alcançarei por possuir mente de formação preponderantemente cartesiana. Dizem os místicos e esotéricos da arte da Maçonaria, ser este um campo de força que parte do oriente, tem um polo na coluna da sabedoria, na pessoa do venerável mestre e termina na pessoa do guarda do templo; sendo esta a razão do guarda do templo nunca poder sair de seu posto, nem do templo, e a porta do templo não pode ser tocada por outro irmão oficial qualquer enquanto a loja estiver aberta.

O aprendiz maçom está ligado às coisas da matéria, ele constrói seu ser material, ligado à Terra. É o que significa o esquadro sobre o compasso. O aprendiz maçom está ligado às coisas materiais e depois, ao galgar outros graus ele passa a tirar os pés do chão.

Alguns irmãos brincam com a marcha do aprendiz maçom, chamando-a de a marcha do "manquinho", exatamente devido esta característica do pé esquerdo ser arrastado para frente e depois o calcanhar direito bate em esquadro no calcanhar esquerdo.

Em nenhum momento, nenhuma das palmas dos pés, tanto direito como esquerdo descolam do chão. Há quem queira explicar este arrastar de pés como ligados ao fato do aprendiz maçom ainda não estar simbolicamente acostumado com toda a luz, então vai tateando.

De tudo o que se lê a respeito, o arrastar de pés está ligado unicamente ao fato do aprendiz maçom estar ligado ao chão, à Terra, um dos quatro elementos, porque ainda não galgou a escada em direção de sua espiritualização. Isto é simbólico, mas pretende passar sensibilidade com os assuntos da espiritualidade.

Pessoas como eu poderão dizer, num primeiro instante, que é bobagem, mas sabemos que a ritualística maçônica carrega em si mensagens em seus símbolos que talvez um dia o iniciado vai descobrir o significado. Daí, se mudar o símbolo, muda-se a mensagem, então é importante executar a ritualística com rigor, senão ela realmente não passa de atitude fingida e não de um símbolo esotérico. E sabemos que estamos na Maçonaria para nos influenciarmos mutuamente. As quatro linhas de pensamento básicas da Maçonaria devem fundir-se numa só para preparar o homem em sua caminhada pela sociedade, onde fará sua obra.

Um exemplo: sabe-se que a espada do guarda do templo é uma arma branca (que não corta nada fisicamente), mas além de ser símbolo da honra e do poder, ela é o que espanta as más influências do mundo externo à Egrégora; e se a espada fosse substituída por um fuzil AR-15? Este último também é uma arma de ataque, porém, que mensagem esta poderá transmitir? Será que a mensagem é a mesma da espada? A metralhadora transmite a mensagem de ser arma de honra? Ou de destruição em massa? É razão para preservarmos os símbolos exatamente como foram idealizados pelos primeiros maçons com risco da mensagem original perder-se. O mesmo se dá com o movimento arrastado dos pés durante a marcha do aprendiz. Será esta uma daquelas invenções que poluem a Maçonaria Simbólica, dita por Albert Pike?

Ainda não é possível afirmar, ademais, na Maçonaria tudo parece ter uma razão de ser até prova em contrário; é assim que funciona. A marcha do aprendiz maçom tem relações com as três colunas do templo: sabedoria, força e beleza. Sabedoria porque se destaca a cabeça como se estivesse numa prateleira quando se coloca a mão em esquadro na garganta; Beleza porque a postura e a marcha devem ser feitos com garbo, energia, elegância; Força porque devem ser feitos de forma enérgica, orgulhosa e denotando força moral.

Além disso, o posicionamento da marcha do aprendiz é emblema de três passagens: nascimento, vida e morte. Quando bem feito representa discernimento, retidão e decisão. Quando a marcha é torta e frouxa representa: Inépcia, farsa, vacilação.

Os três esquadros formados pela mão, braço e pés significam: podem me degolar que não conto os segredos; o braço e antebraço em esquadria significam força à disposição da Ordem; a esquadria dos pés significa que o caminho do maçom deve sempre ser pautado pela retidão do ângulo reto. São três os esquadros porque três é a idade do aprendiz maçom.

Acima de qualquer especulação ou consideração, é importante lembrar que existem duas maneiras de efetuar qualquer tarefa: fazer bem feito ou mal feito: implica que, tanto para fazer bem feito, como para fazer mal feito leva-se quase o mesmo tempo e se gasta quase o mesmo recurso; então faça bem feito! Ademais, como estudante da arte real é importante fazer tudo bem feito, para escalar a Escada de Jacó com galhardia e progredir espiritualmente para honra e à Glória do Grande Arquiteto do Universo.

Bibliografia:

1. CASTELLANI, José, Consultório Maçônico XI, ISBN 978-85-7252-286-1, primeira edição, Editora Maçônica a Trolha Ltda., 176 páginas, Londrina, 2011;

2. PIKE, Albert, Morals and Dogma, of the Ancient and Accepted Scottish Rite of Freemasonry, primeira edição, Supreme Council of the Thirty Third Degree for the Southern Jurisdiction of the United States, 574 páginas, Charleston, 1871.

Data do texto: 09/09/2008

Sinopse do autor: Charles Evaldo Boller, engenheiro eletricista e maçom de nacionalidade brasileira. Nasceu em 4 de dezembro de 1949 em Corupá, Santa Catarina. Com 61 anos de idade.

Loja Apóstolo da Caridade 21 Grande loja do Paraná

Local: Curitiba

Grau do Texto: Aprendiz Maçom

Área de Estudo: Filosofia, Maçonaria, Ritualística, Simbologia

5 comentários:

Anônimo disse...

boa tarde gostei muito do que li pois estou estudando para me torna um Maçom e me esclareceu minha duvida

Messias Leite disse...

Gosto muito de trabalhos direto ao ponto como o aqui escrito, sem muito invencionice. Parabéns!

Jonathan Oliveira disse...

Parabéns pelo Trabalho!!!

Jonathan Oliveira disse...

Parabéns pelo Trabalho!!!

José Alves disse...

Gostei do
que o irmão escreveu sou maçon e o irmão so falou verdades meus parabéns.