sexta-feira, 16 de abril de 2010

Porque Existe a Grande Loja do Paraná e o Grande Oriente do Paraná?

Charles Evaldo Boller

Sinopse: Considarações a respeito da diversidade de obediências; visão otimista da divisão da Maçonaria em entidades juridicas independentes; diversidade de filosofias e pensamentos na Maçonaria; homens imperfeitos em busca da perfeição.

Existem em cada estado da federação diferentes grandes lojas e grandes orientes, às quais se denomina obediência, diversificação manifesta pela mesma razão que existem dentro de uma universidade ou num shopping center diversos departamentos.

A Maçonaria é um sistema de aprimoramento do homem. Não é escola, religião, universidade ou shopping center. Os clientes das diversas obediências buscam todos eles o mesmo alimento: melhorar sua condição humana.

No Paraná deve-se incluir entre as obediências reconhecidas o Grande Oriente do Brasil - Paraná, uma obediência federada e subordinada a um poder central em Brasília, que tem vida independente como a Grande loja do Paraná.

Existem outras grandes lojas no Estado. Ou não são reconhecidas ou são espúrias. Estas últimas ferem a lei básica, os landemarques, porque algumas são formadas por obreiros de ambos o sexos e outras exclusivamente femininas. As obediências irregulares não são reconhecidas pela Grande loja do Paraná vedando a visita e o reconhecimento; é falta grave.

Inclusive entre as obediências devidamente reconhecidas existem retrações de tratados de amizade, por vezes em resultado de pequenas querelas, mas a visitação é tolerada.

Como funciona a sociedade, assim funciona a Maçonaria, ela é o reflexo da sociedade humana em constantes convulsões em busca de entendimento e equilíbrio.

O homem, por sua característica modificadora e crítica, cria situações aonde ele se aglomera em tribos e busca homogeneizar seus grupos de convivência formando automaticamente seus próprios líderes.

Em todo lugar aonde se reúnem pessoas existem conflitos. A fraternidade advém da habilidade que seus membros têm em se suportarem uns aos outros. É permanente o exercício de tolerância e persistência.

A profusão de obediências pode parecer estranha. Tira o brilho ou quebra expectativas de perfeccionismo para uma instituição que se diz universal e fraterna. Outra má impressão pode advir quando se depara com dezenas de ritos diferentes. Também levanta ranço de desentendimento e conflito as constantes divisões de lojas ou a criação de lojas novas numa mesma jurisdição.

Esta diversificação tem uma explicação simples: é necessária para o bom funcionamento do sistema da ordem maçônica universal.

Qual deveria ser o procedimento para absorver todas as linhas filosóficas, religiosas, políticas e culturais da humanidade? É impossível colocar as pessoas num molde e ainda assim declará-las livres? Liberdade exige exercício do livre arbítrio.

Como prover abrigo para tantas linhas de pensamentos diferentes de forma livre e igualitária? Quanto maior o grupo social maior o grau de complexidade e dificuldades de convivência.

Sabe-se que uma boa dinâmica de grupo não trás bons resultados se for composta por mais de onze pessoas; uma loja maçônica não é produtiva se dispuser de muitos obreiros - não existe um número de membros ideal, a fragmentação se dá de forma natural, por afinidade ou interesses.

De ótica mais ampla, as obediências também não ficam muito grandes, é de difícil administração.

É o caso do Grande Oriente do Brasil, inteligentemente fragmentado em um grande oriente regional por estado da federação, as obediências regionais federadas reportam-se a um grão-mestre geral no que diz respeito a sua homogeneidade litúrgica, mas são independentes política e administrativamente. Cada oriente federado do Grande Oriente do Brasil tem um grão-mestre e toda a estrutura de grandes oficiais necessários para seu funcionamento independente. Vantagem: formam-se mais líderes na Maçonaria, haja vista que cada maçom é um multiplicador da moral e evolução do sistema preconizado pela filosofia da ordem.

As grandes lojas são obediências juridicamente separadas por estado e mantém unidade de corpo ou unidade federada através da CMBS, Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil.

Administrativamente o Grande Oriente do Paraná é semelhante à Grande loja do Paraná e de sua parte obtém unidade federada através da Confederação Maçônica do Brasil, Confederação Maçônica do Brasil.

Todas estas obediências regionais, em essências iguais do ponto de vista maçônicos, são universais como sistema, formam um só corpo, mesmo que política, administrativa e juridicamente independentes.

Aos poucos e mediante acordos elas vão se acertando e acabam por conviver pacificamente debaixo do sistema único da Maçonaria. Bem diferente das religiões, partidos políticos, times de futebol, agremiações profissionais e outras associações humanas.

Mesmo com todas as diferenças vigentes no leque de interesses, a Maçonaria mantém uniformidade de pretensão no objetivo de: ao mudar o homem muda-se a sociedade para melhor; cria-se plêiade de homens de escol para, na diversidade e complexidade crescentes, focar a sociedade em direção a evolução e conscientização natural.

Quem consente em ser colocado numa prensa para adquirir a mesma forma dos outros? Ninguém! Os homens são diferentes uns dos outros e gostam de mudanças; faz parte de sua psique provocar mudanças. Trabalhar com a diferença e desigualdade visando buscar perfeição e igualdade é uma arte e pode ser reduzido ao sistema da Maçonaria que, da diversificação, da diferença, molda homens para o bem respeitando rigorosamente suas evidentes diferenças. É quase um paradoxo obter igualdade a partir de homens diferentes, mas no fundo a explicação é simples: trata-se de um notável insight dos criadores da ordem maçônica mundial, reunir debaixo de um mesmo teto pessoas das mais diversas origens, culturas, religiões, crenças, sem que se matem uns aos outros e que colaborem, contribuam na edificação de um templo com seus corpos e mentes ao qual se denomina sociedade.

A Maçonaria não é o resultado de instituições separadas em obediências e lojas, ela e estas sociedades são o resultado dos homens que se congregam debaixo de sua orientação. Brilham os homens, resplandecem as sociedades que os albergam e orientam. A participação nestas fraternidades se dá pelo constante contato entre pessoas, à semelhança de como o fizeram os homens das cavernas ao redor do fogo. Foi em ambientes umbrosos que despertaram as melhores características do homem. Desenvolveu-se o cérebro para o potencial que tem hoje e pela constante convivência continua a desenvolver-se.

Ao longo da história os encontros de homens nem sempre foram fraternos. O homem de hoje difere daquele das cavernas apenas em pequenos detalhes, insignificantes diferenças quanto a sua natureza, imensa quanto a sua capacidade intelectual, isto porque, o homem de hoje está apoiado nos ombros dos homens do passado e o sistema da Maçonaria é a maior expressão disso.

A diversificação da Maçonaria pode ser resultado da vaidade e sede de poder do homem? Definitivamente sim! Como funciona a sociedade, assim funciona a Maçonaria, esta é espelho daquela. Isto faz parte do processo de aperfeiçoamento do homem. São a razão de existir tamanha diversificação na organização daquilo que constitui a base do sistema da Maçonaria com suas sociedades civis que acolhem homens imperfeitos para deles esculpir pedras angulares da edificação de uma sociedade progressista, evolutiva.

Que ninguém se iluda que vai encontrar homens perfeitos na Maçonaria. É uma sociedade de homens imperfeitos em busca da perfeição. Ninguém chega à perfeição senão o Grande Arquiteto do Universo! Estes homens imperfeitos fumam, bebem, erram, acertam, dançam, cantam, amam e também brigam. Quando querelas afloram, existem diversos recursos na própria loja para acomodar e apaziguar interesses e diferenças. Quando todos os recursos jurídicos e de dissuasão esgotam na loja, existe apoio jurídico na grande loja ou grande oriente, se tudo falhar, então ocorre separação; surge nova loja ou novo oriente. Isto não deve ser visto como mal, ao contrário, continua possibilitando reunir as mais diversas linhas de interesse e pensamentos debaixo de um mesmo sistema, sob um mesmo teto.

Ao estudar a evolução do homem aprende-se que para aproximar-se da verdade o homem deve abandonar sua ideologia de perfeição a aceitar que toda a criação é resultado de processos imperfeitos, de falhas da natureza que provocaram mudanças até chegar ao que as criaturas estão imersas na biosfera são. As criaturas são produto de assimetrias nas entrelinhas do código oculto da Natureza.

Atente-se que as separações ocorrem por questões de opinião, filosofia e não em face de crimes e imoralidades. Mesmo que a motivação não seja lá muito fraterna, resultado de sede de poder ou vaidade, a cada divisão o sistema da Maçonaria fica mais forte porque continuará albergando pessoas normais, diferentes, com todos os seus defeitos e virtudes; que possuam em si, de forma latente, a motivação de melhorarem sua condição humana, de se autoeducarem pelo sistema natural da Maçonaria.

E pelo esforço despendido no constante cair e levantar com a ajuda de outros seres imperfeitos, com ajuda da corporação e de cavaleiros, o maçom segue em frente. Atento as nódoas que denigrem a pedra bruta, ele usa do maço e do cinzel para burilar a pedra, e com isto, mesmo que de forma imperfeita, dá honra e glória ao Grande Arquiteto do Universo.

Bibliografia:

1. GLEISER, Marcelo, Criação Imperfeita, ISBN 978-85-01-08977-7, primeira edição, Editora Record, 366 páginas, São Paulo, 2010.

Biografia:

1. Marcelo Gleiser, astrônomo, autor, físico, professor e roteirista de nacionalidade brasileira. Nasceu em Rio de Janeiro em 19 de março de 1959. Com 51 anos de idade. Apresenta temas complexos das ciências de maneira compreensível.

Data do texto: 30/01/2011

Sinopse do autor: Charles Evaldo Boller, engenheiro eletricista e maçom de nacionalidade brasileira. Nasceu em 4 de dezembro de 1949 em Corupá, Santa Catarina. Com 61 anos de idade.

Loja Apóstolo da Caridade 21 Grande loja do Paraná

Local: Curitiba

Grau do Texto: Aprendiz Maçom

Área de Estudo: Filosofia, Maçonaria, Tolerância

3 comentários:

Anônimo disse...

Meu irmão em breve(rsss)
Tive imenso prazer em encontrar seus escritos, graças ao mundo virtual.
Aprendi uma grande verdade: somos seres imperfeitos em busca da perfeição que só vem com muita vontade de crescer.
Abraço!
claudionorsena@hotmail.com

Anônimo disse...

sou aprendiz da potencia grande oriente do paraná,e também hoje aprendi que somos imperfeitos em busca da perfeição obrigado meu irmÃO pelo texto Ótimo, parabéns.

Anônimo disse...

Pois é. Sempre em busca do aperfeiçoamento e da verdade. Parabéns!