quarta-feira, 15 de junho de 2011

O Edifício Social


Charles Evaldo Boller

Sinopse: Ensaio sobre a atividade de desmonte e possibilidade de reconstrução do edifício social.

O edifício social é construído para que o cidadão possua o atributo humano para desenvolver sua dignidade e desde era remota vem desenvolvendo sua humanidade em sociedades cada vez mais organizadas e complexas. Na Maçonaria o maçom destaca a honra e nobreza já perseguidas desde sociedades mais antigas e combate os inimigos da dignidade humana: a falsa liberdade, aquela que transforma a vida para o mal em resultado de vida e procedimentos dissolutos como desregramento moral; promoção da falsa ordem que redunda em anarquia, a falsa humanidade como consequência do despotismo das massas. Estas ideias de combate surgiram no iluminismo alemão e foram introduzidos nas leis e dispositivos legais hodiernos.

Com o crescimento da população e conspiração ideológica, o estabelecimento destas leis colocou fora do controle a sua aplicação. O progresso tecnológico deu lugar a guerras de dominação sem lutas armadas e onde passaram a figurar povos dominantes e dominados em larga escala. Desapareceram as classes dos escravos e homens livres; hoje todos estão de alguma forma presos ao um nefasto sistema onde uma minoria explora a maioria em seus próprios prejuízos; em detrimento do edifício social que vai desfalecendo. Presa de paixões e vícios a sociedade humana derruba constantemente a soberania da igualdade e da justiça.

Aquela dignidade que era respeitada de forma natural pelos antigos passou a ser aviltada e desrespeitada no edifício social hodierno que obriga aos miseráveis e oprimidos a se escravizarem de forma indigna para sobreviver. Negam-se às pessoas os direitos mais rudimentares de liberdade, desviando-os do estado de direito e gerando homens desesperados que enveredam ao crime organizado, quebrando uma cultura natural que também tinha seus defeitos, mas preservava valores hoje esvaziados e ridicularizados. A instituição familiar está de tal forma arruinada que, para coibir o crescimento populacional os governos permitem, e até incentivam, a união conjugal de pessoas do mesmo sexo. A violência não é combatida de forma eficaz apenas para manter o terror e a submissão. A saúde é negligenciada para reduzir a sobrevida do cidadão e diminuir a população.

O maçom estuda as diferenças entre orgulho, vaidade e egoísmo para esta época marcada pelo avilte da dignidade humana onde ele levanta-se contra a tendência de desestruturação do edifício social, inspirado na lenda da Torre de Babel descrita na bíblia judaico-cristã e que representa a confusão e desestruturação da sociedade. O mundo civilizado vive em permanente atividade para desconstruir a sociedade, gerando conflitos sociais e derrubando o edifício social na sarjeta; é do interesse das classes dominantes manter os mais fracos submissos ao seu sistema de domínio. Grandes humanistas como Joaquim Nabuco e Rousseau, em seu tempo, já apontavam para esta degradante situação e em seus trabalhos filosóficos buscam resgatar a humanidade do retorno à barbárie. O maçom é inspirado a levar para a sua célula social a devida reação contra toda e qualquer injustiça promovida pelos grandes e poderosos. Prove auxílio para os que sofrem alguma forma de tratamento desigual pela justiça, delatando juízes e políticos prevaricadores e corruptos. Auxilia aos que foram aviltados por extorsões, abusos e violências. É inspirado a estabelecer justiça humana condizente com as necessidades para estabelecer a dignidade humana e estabilizar as bases da sociedade ordeira e progressista. Incentiva-se a integridade mantida a semelhança de Noé, quando este foi justo e modesto fugindo ao orgulho que vitimou o planejador do projeto da edificação que deveria alcançar as nuvens e ficou conhecida como torre de Babel, símbolo da confusão hoje representado pelo sistema que oprime e escraviza.

A dignidade humana com liberdade é o meio necessário para que o homem construa o edifício social assentado nos valores da natureza humana. O respeito pela liberdade faz o homem equilibrado constituir a sociedade organizada no humanismo, valorizando o homem. Dignidade só aflora com liberdade. E isto só se conquista quando se reconhecem os valores internos do homem e não suas posses materiais ou dotes intelectuais. A vaidade é a pior componente do avilte do homem por outro homem. Descendente do sentimento social e do desejo de aprovação que condiciona os homens a se tornarem agradáveis como exercício de falsidade e hipocrisia; faz com que um homem queira ser mais importante que o outro, é quando o orgulho, a autoestima em demasia o leva a promover a submissão de outros homens pela força. A consequência disso leva ao desmonte do edifício social.

A escravidão nos antigos moldes é rara nos dias de hoje. A subjugação do homem é parcial, mas tão repugnante como a antiga, onde um ser humano podia ser conduzido a uma condição de propriedade de outro. O que avilta os alicerces do edifício da sociedade de hoje é a ultrajante desigualdade social que pode ser resolvida por vontade política. Existem recursos financeiros, humanos e tecnológicos suficientes para eliminar a mácula da servidão e miséria em questão de pouco tempo. Mas como hoje as pessoas são dominadas pela economia, tecnologia e falta de acesso aos bens de consumo e oportunidades em virtude da presença de imensos e intransponíveis vales do desnível social, esta realidade parece querer perpetuar-se.

O edifício social humano melhorou em artificialidades e técnica, mas não em valores sociais; nisso a degradação e desmonte é visível - existe uma grande opressão à dignidade humana em virtude da dificuldade de acesso a melhores oportunidades e suporte de condições de vida em decorrência do manipulado descontrole econômico ao sabor dos interesses de uns poucos grupos de poder mundial.

Na Maçonaria busca-se a presença da premente necessidade do despertar da consciência individual, de consciência universal para obter liberdade necessária para nutrir a dignidade e construir uma sociedade liberta em sentido lato. Não é o caso de nova ideologia político partidária, mas de marcha em sentido de restaurar valores e elevar o respeito à dignidade humana num pedestal onde o egoísmo humano não a possa tocar. Isto faz aflorar uma nova organização social. É pela reorganização dos pilares que suportam a justiça social que o homem adquire a liberdade necessária para obter dignidade de vida e de onde obtém forças para construir um edifício social digno para si e seus descendentes. Com o aparecimento e desenvolvimento da liberdade individual despertará a consciência social e a vontade de servir às causas comuns da sociedade.

As palavras em nossa constituição federal são lindas e poéticas, mas a sua consecução é um desastre em virtude da falta de força e do interesse alienígena de fazer do povo escravos para o sistema aviltante que escraviza. Tem a dignidade humana como fundamento, mas esta é apenas teoria. Fala-se em erradicação de pobreza, que poderia ser eliminada num soco só, bastaria, para tanto, apenas vontade política. Ao invés disso criou-se uma geração de dependentes e indolentes sem vontade alguma de trabalhar para construir e manter os valores do edifício social. Inclusive contém em seus artigos previsão que coíbe tratamento degradante e aviltante, mas a realidade dos corredores de hospitais, escolas e lares estão recheadas de péssimos exemplos de má gestão da coisa pública, quando não desvio de verbas e outros crimes de lesa-pátria. Arrogam-se proteção aos desamparados e esta não passa de mero ensaio, de um faz de conta que não tem fim. Propala-se a base da ordem social e do bem estar e justiça social e isto não passa de teatro, encenação até bem pobre, pois é notória até ao mais simples cidadão. Dispositivos legais existem em profusão, mas não protegem a dignidade humana, antes, degradam-na e aviltam de forma ultrajante. Leis existem, mas faltam força e vontade na sua aplicação.

Para o edifício social existir em sua plenitude, a ação conjunta da sociedade deve fortalecer os direitos fundamentais do homem com liberdade; só então este poderá conquistar vida digna. O que impede a aplicação do diversificado cabedal de boas leis é ganância, vaidade, orgulho e outros pecados. Apenas o amor é capaz de tornar os homens mais modestos e livres. Longe de paixões e desejos exagerados passarão a enobrecer a pratica de virtudes, obedecerão às leis, respeitarão os direitos dos outros e cumprirão seus deveres de forma aceitável e natural. A educação estará em primeiro plano no planejamento dos governantes. Liberdade de imprensa e da palavra possibilitará correção de rumos. Assim que o maçom acorda em si esta disposição ele fará a diferença no mundo em que vive. Se o fizer em seu lar já é de bom tamanho. Se obtiver o privilégio de dirigir a política e chegar ao ponto de poder influenciar nas decisões de poder e com sua atuação construir o edifício social, então se dará glória ao Grande Arquiteto do Universo e o homem escravo recuperará naturalmente a sua dignidade.

Bibliografia:
 1. ANATALINO, João, Conhecendo a Arte Real, A Maçonaria e Suas Influências Históricas e Filosóficas, ISBN 978-85-370-0158-5, primeira edição, Madras Editora limitada., 320 páginas, São Paulo, 2007;
 2. GREGÓRIO, Fernando César, Ética e Maçonaria, Opúsculos do Livre Pensamento, primeira edição, Editora Maçônica a Trolha limitada., 190 páginas, Londrina, 2005;
 3. ISRAEL, Jonathan I., Iluminismo Radical a Filosofia e a Construção da Modernidade 1650-1750, Radical Enlighttenment, Philosofy, Making of Modernity, 1650-1750, tradução: Cláudio Blanc, ISBN 978-85-370-0432-6, primeira edição, Madras Editora limitada., 878 páginas, São Paulo, 2009;
 4. ROHDEN, Humberto, Educação do Homem Integral, primeira edição, Martin Claret Editores Limitada, 140 páginas, São Paulo, 2007;
 5. ROUSSEAU, Jean-Jacques, A Origem da Desigualdade Entre os Homens, tradução: Ciro Mioranza, primeira edição, Editora Escala, 112 páginas, São Paulo, 2007;
 6. SOFISTE, Joarez, A Problemática do Homem, ISBN 978-85-99396-09-04? Primeira edição, Quadrioffice Editora, 234 páginas, Curitiba, 2009.

Data do texto: 14/06/2011.
Sinopse do autor: Charles Evaldo Boller, engenheiro eletricista e maçom de nacionalidade brasileira. Nasceu em 4 de dezembro de 1949 em Corupá, Santa Catarina. Com 61 anos de idade.
Loja Apóstolo da Caridade 21 Grande loja do Paraná.
Rito: Rito Escocês Antigo e Aceito
Local: Curitiba.
Grau do Texto: Aprendiz Maçom.
Área de Estudo: Filosofia, Liberdade, Maçonaria, Moral, Política, Sociologia.

2 comentários:

Anônimo disse...

PARA TRÁS INDITOSO ESQUERDISTA! AS AÇÕES HUMANAS SÃO AS MANIFESTAÇÕES DE DEUS (OU DA ORDEM NATURAL, SE PREFERIR) QUE SÓ SÃO POSSÍVEIS EM NÍVEL INDIVIDUAL E COM PLENO LIVRE ARBÍTRIO. VOCÊ DEFENDE UMA ABERRAÇÃO ANTROPOCENTRISTA DE CONTROLE MUNDIAL RESPONSÁVEL PELO SANGUINOLENTO ESTADO MODERNO E AINDA SE DISFARÇA DE CRISTÃO E DEFENSOR DA FAMÍLIA.

Charles Evaldo Boller disse...

Caro senhor Anônimo,

Não defendo alinhamentos político, ideológico e religioso. Religiões e filosofias sempre batalharam para dar esperança ao homem. A filosofia, como irmã da religião, sempre pautou pela busca da liberdade e uso da razão longe da superstição, obscurantismo ou fanatismo. Não tenho religião, mas possuo fé onde tudo aponta para uma finalidade nobre para toda a criação. Não apenas aplicada ao homem, mas a toda a Natureza.

Estou de acordo com tua defesa da intencional ordenação da Natureza por uma entidade cuja complexidade NÃO SE DISCUTE. Fico com os iluministas que afirmaram que Deus seja algo muito acima de nossa capacidade de entendimento. Não acredito em Deus, pois implicaria em dúvida! Tenho certeza de Deus! Sim, existe algo superior que estabeleceu aquilo que denominas com perfeição como uma "Ordem Natural" estabelecida por uma Capacidade Pensante Universal.

Condeno todo e qualquer Estado incompetente, ditatorial, corrupto e engajado em efetuar qualquer tipo de controle sobre a liberdade do cidadão. Principalmente interferências no funcionamento natural da Família.