terça-feira, 10 de maio de 2011

O Caminho das Virtudes I


Charles Evaldo Boller

Inicia a escuridão. O caminhante cego é conduzido por seu guia a iniciar uma jornada, que ao final, dizem, lhe devolverão a visão.

Mesmo amparado, caminha trôpego, instável e inseguro. Todos os quatro sentidos restantes de percepção estão funcionando ao máximo de suas capacidades. Cada som, cada odor, cada detalhe do relevo é importante. Na falta da luz, a mente trabalha ao máximo de sua capacidade para compensar a falta de visão.

Alguém sussurra palavras de apoio aos seus ouvidos, as quais o acalmam. No proceder gentil, terno e suave desta pessoa denota-se consideração quase contemplativa, semelhante a ato de adoração. E esta Polidez desenvolve no caminhante o efeito semelhante ao apoio do cajado, que o ampara nos momentos de dificuldades e desequilíbrios das estradas. E mais, enche-o de moral frente aos possíveis perigos; pois é propalado que, na via que pretende passar, existem inúmeros riscos e armadilhas. Já está consciente da necessidade de muita bravura para superar os perigos à sua frente. A Coragem surge então como o ponto de prova mais elevado para seguir no caminho em toda a sua extensão.

O caminhante já sabe que a via possui segredos que possibilitam perspectivas de um futuro promissor, principalmente visando à continuação da construção e o acabamento de seu templo interior, da sua condição humana aperfeiçoada. Sabe também que, a matéria prima a ser utilizada nesta obra será retirada do interior dele mesmo, independente de suas limitações e imperfeições. Inclusive, e como bem maior, lhe será possibilitado ver a luz em matizes diferentes dos até então observados. Tem a promessa que estes bens serão adquiridos não por dinheiro, mas lhe serão doados se dispuser de coração onde reina Pureza.

Para demonstrar que possui coração puro, é submetido a testes de integridade. Passa por pontes instáveis, é ameaçado com arma branca, sente-se rejeitado, é inquirido, é admoestado, enfim, passa por uma série de atividades que, em outra situação, seriam encaradas como ultraje. Vence as provas representadas simbolicamente pela Terra, Ar, Água e Fogo.

Como o caminho em que pisa possui inúmeras passagens secretas, que abrigam tesouros materiais, intelectuais, ritualísticos e espirituais. É exigida dele a Fidelidade para com a manutenção destes segredos. Tudo mediante juramentos e acompanhado de advertências severas. Os moradores locais usam de muita Prudência com a pretensão do passante. Usam de múltiplos expedientes para descobrir e desarmar eventuais tentativas de aventura leviana. A Prudência, filha mais velha da Sabedoria, é requisitada diversas vezes na tomada de decisões em todos os questionamentos e juramentos.

Conforme vai sendo aprovado em cada etapa, segredos passam a lhe ser revelados:

É recomendado que desenvolvesse moderação e sobriedade ao consumir comida e bebida, bem como comedimento em outros prazeres da vida. A Temperança é apresentada como rumo para a felicidade da alma e da saúde do corpo.

É perceptível um refinado senso de Humor em alguns dos procedimentos.

É orientado a desenvolver o reconhecimento por alguém que lhe prestou um benefício, fazendo da Gratidão um modelo.

É exortado a dispor-se a sacrificar seus próprios interesses em benefício da coletividade e de tornar a magnanimidade constante em sua vida. Onde perder uma ocasião de ser útil é considerado infidelidade e um socorro recusado, perjúrio.

Nunca doar nada de forma aviltante ou de modo a ofender àquele que recebe.

Nunca tornar pública a sua doação, ou jactar-se dela, para obter reconhecimento e louvor.

Cultivar permanentemente a Simplicidade e a Boa Fé.

Praticar a Generosidade, a qual trará progresso à vida familiar e secular. E que esta virtude triunfe sobre a indiferença.

Desenvolver sentimento piedoso para com a tragédia pessoal de outrem, principalmente de seus companheiros. E este deve estar acompanhado do desejo de minorar a dor.

Praticar a Misericórdia que compele à participação não apenas material, mas também, espiritual da infelicidade alheia. Suscitar um impulso altruísta de participar do sofrimento de outrem, com Ternura para com o sofredor.

Fazer da Compaixão e do Amor as virtudes mais preciosas da vida, na medida em que, munido de Tolerância, reconhece que cada ser humano é parte da humanidade, independente de raça, cor, religião, cultura e ideologia.

Não apenas desenvolver a Humanidade em pensamentos de generosidade diante do sofredor, mas desenvolver a Doçura que o impede de produzi-la ou de aumentá-la.

É convocado a alistar-se numa tropa de elite, homens de escol treinados em agir contra a tirania e a escravidão resultantes da força sem Justiça.

Que a Justiça deve começar em sua própria casa, de uma forma para a qual há de se desenvolver uma estabilidade nas decisões a partir de um bom coração, e do Amor dirigido pelo equilíbrio entre racionalidade e emotividade.

É estimulado ao estudo da verdade independente de dogmas religiosos ou filosóficos. Praticando permanentemente o que é justo à semelhança de uma fortaleza inexpugnável, no alto de uma montanha indestrutível que não pode ser abatida pela força ou ação de nenhum exército. Onde este forte e esta montanha inexpugnável é o Grande Arquiteto do Universo, conceito que engloba todas as divindades que o homem cria em si.

O caminhante a tudo absorve avidamente, pois já sabe que está no lugar certo, e que o Criador, só se faz presente onde pessoas se tratam como irmãos e têm profundo sentimento de Amor de uns pelos outros. Um Amor que transpõem barreiras raciais, sociais e nacionais, unindo pessoas em genuína fraternidade universal. E decide definitivamente em seu coração e em sua mente, que é num lugar assim que o seu templo poderá receber os acabamentos para ser aprovado por Aquele que construiu todos os Universos existentes. E considera que, como a vida é uma teia tecida de bens e de males, será ali que passará a açoitar suas virtudes para que estas não se tornem orgulhosas. Pretendendo que virtudes assim tratadas acabem fortalecidas, transpostas não apenas no desenvolvimento de energias para abster-se de vícios, mas até, em sequer desejá-los.

E termina a escuridão. E o caminhante chega ao final do caminho das virtudes. Faz-se a luz. À sua frente são subitamente revelados, pelo brilho da luz, diversos cavalheiros, perfilados e estranhamente paramentados. Em suas mãos espadas e estas apontadas diretamente ao seu coração. Passado o sobressalto, ele vê, não com os olhos da racionalidade, mas, com os olhos do coração, que das pontas das espadas emerge a mais pura energia do Universo, brota em profusão a maior riqueza que se pode desejar obter, partindo da mais nobre de todas as virtudes, uma que os humanos seres têm capacidade de produzir e doar sem esforço e sem sentimento de perda, a mais importante delas, o Amor.

Bibliografia:
 1. COMTE-SPONVILLE, André, Pequeno Tratado das Grandes Virtudes, tradução: Eduardo Brandão, ISBN 85-336-0444-0, primeira edição, Livraria Martins Fontes Editora Limitada, 392 páginas, São Paulo, 1995;
2. PUSCH, Jaime, ABC do Aprendiz, segunda edição, 146 páginas, Tubarão Santa Catarina, 1982;
3. Ritual do Grau de Aprendiz Maçom do Rito Escocês Antigo e Aceito, terceira edição, Grande loja do Paraná, 98 páginas, Curitiba, 2001.

Data do texto: 15/08/2003.
Sinopse do autor: Charles Evaldo Boller, engenheiro eletricista e maçom de nacionalidade brasileira. Nasceu em 4 de dezembro de 1949 em Corupá, Santa Catarina. Com 61 anos de idade.
Loja Apóstolo da Caridade 21 Grande loja do Paraná.
Local: Curitiba.
Grau do Texto: Aprendiz Maçom.
Área de Estudo: Consciência, Espiritualidade, Filosofia, Maçonaria, Moral, Sociologia.

Nenhum comentário: